Moscas Mortas Revolution – Página Inicial

Desamericanizando o mundo – Noam Chomsky

Posted in Política, Textos Próprios, Traduções by leonardomeimes on 11/02/2014

Durante os últimos episódios da farsa de Washington que deixou o mundo espantado e assustado, um comentarista chinês escreveu que que se os EUA não podem ser um membro responsável no sistema mundial o mundo deveria se “desamericanizar” – separando-se do estado canalha que é o poder militar atual, mas que está perdendo a credibilidade em outros domínios.

A origem imediata do fiasco de Washington foi a mudança radical para a direita de sua classe política. No passado, os EUA já foram, algumas vezes, descritos desrespeitosamente – mas sem erro – como um estado de um único partido com duas facções chamadas Democratas e Republicanos.

Isso não é mais verdade. Os EUA são ainda um estado de um único partido, o partido dos negócios e que tem apenas uma facção: Republicanos moderados, agora chamados de Novos Democratas (como a coalizão do congresso americano se anuncia).

Há ainda uma organização Republicada, mas ela há muito tempo abandonou qualquer pretensão de ser um partido parlamentar normal. O comentarista conservados Norman Ornstein do American enterprise Institute descreve os republicanos de como coo “uma insurgência radical – ideologicamente extrema, arrogante com fatos e compromissos e desdenhoso da legitimidade de seus opositores políticos”: um perigo sério para a sociedade.

O partido está a serviço dos muito ricos e do setor corporativo. Como os votos não podem ser obtidos com essa plataforma, o partido foi levado a mobilizar setores da sociedade que são extremistas para os padrões mundiais. A loucura é a nova norma entre os membros do Tea Party e outros grupos que estão além do convencional.

O estabelecimento Republicano e seus patrocinadores corporativos esperavam usá-los como uma massa de manobra para o assalto neoliberal contra a população – para privatizar e para limitar o governo, enquanto manteriam aquelas instituições que servem ao bem da riqueza e do poder, como os militares.

E os republicanos tiveram algum sucesso, mas agora ele percebem que não conseguem mais controlar a sua base, para sua própria desilusão. O impacto na sociedade Americana então se torna ainda mais severo. Como sintoma: a reação extrema contra o Affordable Care Act e o quase fechamento do governo.

A observação do comentarista chinês não é inteiramente nova. Em 1999, o analista político Samuel P. Huntington alertou que, para quase todo o mundo, os EUA estavam “se tornando uma superpotência canalha”, vista como “a única grande ameaça externa para suas sociedades”.

Alguns meses depois, no governo Bush, Robert Jervis, presidente da American Political Science Association, alertou que “para os olhos do mundo todo, de fato, o principal estado canalha hoje em dia é os EUA”. Ambos, Huntington e Jervis, avisaram que tal caminho era imprudente. As consequências para os EUA poderiam ser perigosas.

No último fascículo de Foreign Affairs, David Kaye revisa um aspecto da separação de Washington do resto do mundo: a rejeição aos tratados multilaterais “como se fosse um esporte”.

Ele explica que alguns tratados foram rejeitados sumariamente, como quando o senado americano “votou contra a Convenção de Direitos das Pessoas com Deficiência em 2012 e o Tratado de Proibição de Testes Nucleares (CTBT) em 1999”.

Outros são rejeitados por inércia , incluindo “assuntos como trabalho, direitos econômicos e culturais, espécies em extinção, poluição, conflitos armados, processos de paz, armas nucleares, a lei do oceano e a discriminação contra as mulheres”.

O desrespeito às suas obrigações internacionais “cresceu tão emaranhadamente”, diz Kaye, “que os governos não esperam mais a ratificação de Washington ou sua participação ativa em tratados. O mundo está seguindo em frente; as leis são feitas em outros lugares, com envolvimento limitado (ou nulo) dos Americanos”.

Embora não seja novidade, esta prática realmente se tornou mais comum nos últimos anos, junto com uma aceitação calada por parte dos cidadãos da doutrina de que os EUA tem o direito de agir como tal.

Veja um exemplo clássico, algumas semanas atrás as forças especiais americanas sequestraram um suspeito, Abu Anas al-Libi, nas ruas da capital Líbia, Tripoli, o levando para um navio para interrogatórios sem consentimento ou direito. O secretário de estado americano John Kerry informou a imprensa que as ações eram legais e que elas estão de acordo com a LEI AMERICANA, sem mais comentários.

Princípios são válidos apenas se forem universais. As reações seriam bem diferentes, não precisa-se dizer, se as forças especiais cubanas sequestrassem o terrorista Luis Posada Carriles em Miami, o levando a Cuba para interrogatório e julgamento de acordo com as leis cubanas.

Tais ações são restritas aos estados canalhas. Mais precisamente, ao estado que é poderoso o suficiente para agir com impunidade: nos últimos anos fez agressões à vontade, aterrorizando regiões do mundo com drones e muito mais.

E ainda desafiam o mundo de outras maneiras, por exemplo, insistindo no embargo à Cuba apesar da histórica oposição mundial, fora Israel, que votou a favor de seus protetores quando a ONU condenou o embargo (188-2) em outubro.

Não importa o que o mundo pense, as ações americanas são legítimas poque eles dizem que são. O princípio foi anunciado por Dean Acheson em 1962, quando ele instruiu a American Society of International Law de que não há questões legais que possam surgir da resposta americana às ameaças ao seu “poder, posição e prestígio”.

Cuba cometeu esse crime quando revidou uma invasão americana e quando teve a audácia de sobreviver a um ataque que foi planejado para levar os “terrores da terra” para Cuba, nas palavras do conselheiro de Kennedy e historiados Arthur Schlesinger.

Quando os EUA se tornaram independentes, eles buscaram participar da comunidade internacional da época. É por isso que a Declaração de Independência é aberta expressando a preocupação com o “respeito às opiniões da humanidade”.

Um elemento crucial foi a evolução de uma confederação desordenada para uma nação unificada e capaz de entrar em tratados, conforme a historiadora Eliga H. Gould, que observou as convenções da ordem Europeia. Chegando a esse estatus, a nova nação também ganhou o direito de agir internamente como quisesse.

Assim eles poderiam se livrar da população indígena e expandir a escravatura, uma instituição tão “odiosa” que não poderia ser tolerada na Inglaterra, como o jurista William Murray disse em 1772. O desenvolvimento da lei inglesa era um fator necessário para fazer a sociedade escravagista escapar de seu alcance.

Se tornando uma nação elegível à tratados conferiu múltiplas vantagens: reconhecimento externo, e a liberdade para agir em casa sem interferência. O poder hegemônico oferece a oportunidade de se tornar um estado canalha, desafiando as leis e normas internacionais, enquanto enfrentam uma resistência cada vez maior mundialmente e contribuindo para seu próprio declínio por meio de feridas autoinfligidas.

Noam Chomsky
Truthout, November 5, 2013

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: