Moscas Mortas Revolution – Página Inicial

O bem que a cultura faz

Posted in Música by leonardomeimes on 08/11/2010

Segunda-feira, 08/11/2010

Walter Alves/ Gazeta do Povo

Walter Alves/ Gazeta do Povo / O show de Paulinho da Viola e a  Orquestra à Base de Cordas foi um dos destaques da Virada
O show de Paulinho da Viola e a Orquestra à Base de Cordas foi um dos destaques da Virada


Organização estima que 200 mil pessoas estiveram presentes na maratona de shows que movimentou o centro de Curitiba no fim de semana

Por 29 horas seguidas, Curitiba foi uma outra cidade. “Até me espantei com tanta gente nas ruas. Diversão, cultura e segurança para caminhar pelo centro. Gostaria que fosse sempre assim.” A frase da publicitária Alessandra Moretti define o que foi a Virada Cultural, que teve início ao meio-dia do sábado e terminou ontem, por volta das 17 horas, quando Erasmo Carlos encerrou sua apresentação no Palco Riachuelo, em frente do Paço da Liberdade.

Diálogos musicais na noite curitibana

Arrigo Barnabé assusta. O músico paranaense, que se apresentou já na madrugada de domingo ao lado da Orquestra à Base de Sopro, só não fez chover ao recriar ao vivo o álbum Clara Crocodilo (1980), marco da chamada Vanguarda Paulista. O show foi o mesmo que aconteceu em junho do ano passado no Teatro Guaíra, mas o clima era outro no palco da Rua Riachuelo.

Alguns fãs maisexaltados vibravam com a interpretação de Arrigo, vestido com uma espécie de sobretudo preto. Loucamente competente, o artista se recriava a cada instante. A interação com a orquestra era máxima.

Todas as oito faixas do álbum foram executadas. “Orgasmo Total” e “Diversões Eletrônicas” fizeram parte do público cantar, popularizando seu conceito musical baseado no dodecafonismo.

A aproximação do popular com o erudito, marca já bastante presente na obra de Arrigo, talvez tenha se consolidado com a apresentação que fez durante a Virada Cultural. Pois não é todo dia que se vê um bom público pedindo bis para um artista tido como expe­­rimental. “Sabor de Veneno” encerrou a apresentação, uma das melhores do evento, já perto das duas da manhã do domingo.

Antonio Costa/ Gazeta do Povo / Público da noite no Setor  HisttóricoAntonio Costa/ Gazeta do Povo 

Ao todo, a programação gratuita da Virada atraiu 200 mil pessoas aos vários palcos espalhados por diversos pontos da cidade. A estação montada na Praça Gene­­roso Marques foi a que atraiu mais gente, contou com a presença de aproximadamente 45 mil pessoas ao longo dos shows. Neste ponto, o público superou a expectativa da organização da equipe do Sesc Paraná, que previa 30 mil nas apresentações de Paulinho da Viola, Sandrá de Sá, Arrigo Bar­­nabé, Mart’Nália e Erasmo.

“Estamos cumprindo o objetivo do Paço, que é trazer a população para o centro. A Virada prova que é possível revitalizar a região central por meio da cultura”, diz Daniel Ferrarezi, do Sesc. A informação do público presente é da Fundação Cultural de Curitiba que, em parceria com o Sesc-PR, viabilizou o evento. De acordo com a Polícia Militar, não houve nenhum caso de ocorrência grave.

Às 11 horas de ontem, centenas de jovens pulavam ao som da banda curitibana Copacabana Club, no Palco Ruínas, no Setor Histórico. Uma hora depois, em frente ao Paço da Liberdade, aproximadamente 5 mil pessoas, de todas as idades, balançavam ao som das canções da Mart’Nália.

O Panelaço, mostra de bandas independentes realizada no sábado, foi outro ponto alto da Virada. Desde então, o Teatro Universitário de Curitiba (TUC) passa a se chamar Sala Ivo Rodrigues, nome do vocalista da banda Blindagem, falecido neste ano. O conjunto, agora com Rodrigo Vivazz nos vocais, deixou muitos olhos marejados ao tocar canções como “Sou Legal, Eu Sei” e “Não Posso Ver”. O Terminal Guadalupe, projeto musical de Dary Jr, foi responsável por um dos shows mais intensos do Panelaço. Mas os acreanos do Los Porongas e os goianos do Violins foram os mais aplaudidos da mostra alternativa.

O ponto baixo da Virada foi a apresentação de Hermeto Pascoal com a Orquestra Sinfônica do Paraná, na Praça da Espanha, às 15h30 de sábado: não houve “química” entre os improvisos de Pas­­coal e a sua esposa, Aline Morena, com a orquestra. Por outro lado, as apresentações de Felixbravo, Janaina Fellini e Molungo no Bicicletário, no Centro Cívico, figuram entre os destaques da maratona cultural. A Virada foi bem-sucedida e prova que, para fazer das ruas da cidade um ponto de encontro da população, basta um projeto cultural.

Anúncios
Tagged with: , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: